BLOG

ANA


Há cinco anos atrás estávamos todos estreando na cena musical mineira profissionalmente. Eu, Érika Machado, Kristoff Silva, Renato Vilaça, Dudu Nicácio e muitos outros que fizeram no palco do Reciclo Geral a primeira apresentação oficial cantando exclusivamente as próprias canções.

A partir da parceria com a associação dos catadores de papel (Asmare), iniciamos o processo de reciclagem sonora e musical que marcaria profundamente toda uma geração de criadores. Uma figura constante nas noites de quarta durante aqueles três meses de intensa movimentação na cidade era uma cantora veterana, que todos nós admirávamos e respeitávamos pela sua trajetória artística e pelo espírito desbravador.

Titane foi a primeira artista já estabelecida no cenário mineiro a perceber que havia ali, naquela reunião quase aleatória de pessoas tão diferentes, um germe do que viria a ser uma espécie de movimento musical que só se estabeleceria realmente anos depois. Coisa de visionários. Não podíamos imaginar que aquilo teria tantos desdobramentos. Um dos principais – mas não o único – é o disco que Titane lança amanhã no Teatro da Biblioteca, em Belo Horizonte.

Ana é um disco corajoso, que poucos artistas com uma trajetória consolidada como a dela se arriscariam a fazer. Experimentalismo com rigor, ousadia com critério, radicalismo com inteligência.

Mais uma prova de que Titane está com as antenas voltadas para o futuro: a artista disponibilizou o disco na íntegra para ser ouvido, baixado e modificado!

O resultado está aqui!

Postado em 02/07/2008 Blog!

Compartilhe

Sobre o autor

Makely Ka (Valença do Piauí, 1975) é um poeta cantor, instrumentista, produtor cultural e compositor brasileiro. Makely é poeta, compositor e agitador cultural. Atuando em diversas áreas como a música, a poesia e o vídeo. Incorpora à sua produção artística um componente crítico e reflexivo. Autodidata, desenvolveu uma poética musical própria, amalgamando elementos da trova e do aboio de herança ibérica às novas linguagens sonoras urbanas como o rap, do despojamento da poesia marginal ao rigor formal da poesia concreta.

(2) respostas

  1. E.R.L.
    08/07/2008 de 09:34 · Responder

    ficou lindo esse cd!

  2. Daniel Barbosa
    13/07/2008 de 17:05 · Responder

    Que harmonia! Curti muito! Parabéns!

    Daniel

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Back to Top