Arquivos Blog!

Contra-Indústria

Vai levar um tempo até as pessoas se acostumarem com o termo Contra Indústria. Ele encerra todo um complexo universo de procedimentos, táticas e técnicas de produção de cultura que vêm sendo colocados em prática nos últimos anos pelos autoprodutores. Até então, nunca os meios de produção estiveram tão acessíveis e nunca se produziu tanto…

Saiba mais →

chega de vontade de potênciaagora eu quero promessas de felicidade

Seminário de Exportação da Música em Belo Horizonte

Belo Horizonte integra, pela primeira vez, o calendário oficial do projeto Imagem & Comprador que realiza rodadas de negócios entre artistas locais e compradores internacionais de música. Desenvolvido pela Brasil Música & Artes (BMA) em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (APEX Brasil), o projeto, organizado pelo Fórum da Música…

Saiba mais →

ANA

Há cinco anos atrás estávamos todos estreando na cena musical mineira profissionalmente. Eu, Érika Machado, Kristoff Silva, Renato Vilaça, Dudu Nicácio e muitos outros que fizeram no palco do Reciclo Geral a primeira apresentação oficial cantando exclusivamente as próprias canções. A partir da parceria com a associação dos catadores de papel (Asmare), iniciamos o processo…

Saiba mais →

Músicos mineiros criam cooperativa

Jornal O Tempo Mobilização. Batizada Comum (Cooperativa da Música de Minas), entidade realiza assembléia hoje Ricardo Antunes/Divulgação Na foto: Ludmila Ribeiro, Makely Ka, Tatiana Dias, Maurício Ribeiro, Guilherme Castro, Lailah Aburachid e Luiza Barcelos Daniel Barbosa Comum, mas peculiar. O aparente paradoxo serve bem como cartão de visitas para a Cooperativa da Música de Minas…

Saiba mais →

De volta a Pasárgada

Para quem estiver em Juiz de Fora, amanhã (domingo) eu e a cantora Maísa Moura vamos nos apresentar no MAMM (Museu de Arte Murilo Mendes). Com uma formação compacta, acompanhados somente do baixolão de nosso maestro Avelar Jr. vamos apresentar, além das canções do disco Danaide, algumas inéditas do álbum que Maísa está finalizando, com…

Saiba mais →

Rapper Branco

Eu sou um rapper branco classe média alta Mas eu canto em banto e falo tudo na lataTer dinheiro no banco não me afasta da lutaEu sou um rapper branco e não sou filho da puta Vem do morro e do asfalto tá no centro em toda parteNão me venha com a conversa que isso…

Saiba mais →

Anote aí:

Bienal do Livro No sábado participo de um debate sobre Cultura Hip Hop com o rapper mineiro Renegado e o letrista e pesquisador carioca Francisco Bosco. A parada vai acontecer dentro da programação da 1ª Bienal do Livro de Minas Gerais, que está rolando no Expominas (Avenida Amazonas, 6.030, Gameleira). Quando: dia 24 de maio,…

Saiba mais →

DICA DE DISCO

Jornal do Brasil – Caderno B Sexta, 16 de maio de 2008 Tárik de Souzacadernob@jb.com.br “Eu gostaria que alguém viesse aqui dizer `Glauber Rocha é um canalha’, que eu coloco no ar”. Quem fala não é um de seus detratores, mas o próprio cineasta, em trecho sampleado do programa Abertura (TV Tupi, 1979), que integra…

Saiba mais →

Aula sobre letra

Nas oficinas que costumo ministrar sempre surge a questão do processo de criação, mais especificamente sobre a letra de música, que é o que me ocupa a maior parte do tempo ultimamente (não necessariamente a questão sobre o processo, mas o processo propriamente dito). A relação entre a letra e a melodia remete a eras…

Saiba mais →

Para quem estiver em São Paulo neste feriado!

Inauguração de um projeto que pretende ser periódico (dependendo da receptividade do público paulista), o Minas Contemporânea leva a São Paulo três dos principais representantes da nova cena que fervilha em BH. São todos parceiros de geração, que despontaram nos últimos cinco anos, cada um com uma proposta diferente, mas complementar. Serão três shows por…

Saiba mais →

Esquema Sintético

Esquema montado pelo Ricardo Silveira, inspirado na discussão iniciada pela Letícia Féres, repercutida pelo Bruno Brum e pelo Marcelo Sahea, em seus respectivos blogues. Não sei quanto a vocês, mas eu costumo expulsar da mesa os poetas que vem me vender seus livros interrompendo a conversa num bar ou num café.

Oriki de Ogum

eu sou da gangue de ogum se trinca ferro o sangue ferve eu rasgo o verbo em quimbundo nasci do umbigo do mundo eu vim pra guerra o pé na terra dragão de fogo é bebum no contratempo do bumbo morreu enterro cantar eu berro e bebo um trago de rum

Uma cabeça de burro e outras tantas de avestruz

Dias atrás assisti a um debate onde estavam presentes jornalistas (de jornal escrito e de rádio) conhecidos da cena local. O tema era a produção musical independente (sic). A coisa ia como sempre pelo caminho das constatações óbvias por parte da mesa, das reclamações lugar-comum por parte do público – formado por músicos e produtores…

Saiba mais →

Entrevista de Domingo

Jornal O TempoDomingo, 13 de abril de 2008 Criação Poética e Reflexão Makely KaPoeta, compositor e produtor Criador intenso, este piauiense criado em Minas transita por vários gêneros artísticos. Fez da atividade cultural o seu ganha-pão e vem colhendo os frutos em mais de dez anos se dedicando à poesia, à música e em qualquer…

Saiba mais →

Moçambicano

Chico Saraiva é um dos meus parceiros mais recentes, mas já é dos mais prolíficos. Tenho com ele várias canções e uma delas foi registrada no seu trabalho mais recente, sugestivamente chamado Saraivada e lançado pela Biscoito Fino em outubro do ano passado. Ontem ele me enviou uma crítica do disco publicada num jornal de…

Saiba mais →

Antelóquio por ocasião das comemorações do centenário de morte de um poeta vivo Caso estivesse vivo, o poeta Renato Negrão estaria completando um século de poesia e lirismo. Como contudo ainda não morreu, ele comemora solitário alguns míseros anos de sobrevivência e intensa atividade poética. Aliás, nunca soube de outro poeta que tenha chegado vivo…

Saiba mais →

Duelo de Titãs

Passou por aqui como um relâmpago a cantora portuguesa Maria João. Ela e a cantora mineira Titane fizeram um dos mais instigantes encontros musicais que a cidade já assistiu. O melhor é que foi tudo explícito e em praça pública, ali, na Alameda da Travessia. Desafiando o centro do poder com seus improvisos arrebatadores e…

Saiba mais →

carne viva caiu na rede

Há cerca de três anos atrás, quando recebi o livro Carne Viva, do poeta, designer e parceiro de geração Marcelo Sahea, escrevi um pequeno texto com minhas impressões. O cara ainda nem era considerado um dos melhores poetas visuais da praça! Agora que o livro está esgotado e Marcelo disponibilizou uma versão em PDF na…

Saiba mais →

Tira-prova!

Aproveitando o gancho do poste anterior e a discussão que está rolando nos comentários, publico aqui a matéria que saiu hoje no Estado de Minas sobre a apresentação que meu parceiro faz na cidade logo mais. Vou passar antes no debate com o Arnaldo Antunes dentro do projeto Ofício da Palavra, do Museu de Artes…

Saiba mais →

Os Novos Mineiros

Publicado na Carta Capital de 20 de fevereiro de 2008 Por Pedro Alexandre Sanches Situada em algum ponto indeterminado entre a bossa nova carioca, o clube da esquina mineiro e a vanguarda pop-erudita paulista, uma nova geração musical consolida-se em Minas Gerais, ao redor de cantores/compositores/músicos como Kristoff Silva e Makely Ka. Kristoff apresenta Em…

Saiba mais →

Making Off

O húngaro Bela Tarr, o tailandês Apichatpong Weerasethakul, o italiano (da Sicília) Jean-Marie Straub, o russo (da Geórgia) Sergei Paradjanov, o húngaro Miklos Jancso, o canadense Atom Egoyan, os suecos Roy Andersson e Lukas Moodysson, a indiana Deepa Mehta, a espanhola Isabel Coixet, o chinês Jia Zhang-Ke, a iraniana Samira Makhmalbaf, o argentino Marcelo Piñeyro,…

Saiba mais →

Revista de Autofagia n°2

Finalmente saiu o tão aguardado segundo número da Revista de Autofagia! Ainda não há previsão de lançamento oficial mas também não estamos com nenhuma pressa. Afinal de contas, hoje é quarta-feira e o ano acaba de começar. Aos interessados, pedidos podem ser feitos pelo endereço: makelyka@yahoo.com.br Publico aqui um trecho do texto do editorial: A…

Saiba mais →

Carnaval Negro

É carnaval, dias de ilusão e dorEu não consigo encontrar motivo de tanta alegriaPor isso onde eu estiver, seja onde forEu uso sempre aquela mesma fantasia Essa canção eu sei de corQue todo ano é a mesma agoniaQuatro dias de solidão pode ser piorQue o ano inteiro sem companhia No vendaval eu sigo cada vez…

Saiba mais →

Não acontece nada!

Belo Horizonte é conhecida como uma cidade de meio de ano. Isso significa que nos extremos do calendário, ou seja, entre o final de dezembro e a semana posterior ao carnaval têm-se a impressão de que não acontece muita coisa. Muita gente até prefere esse período porque a cidade fica mais tranqüila, o trânsito flui…

Saiba mais →

Vai acabar…

Há algum tempo venho desenvolvendo o projeto de um livro em decomposição. É um livro com um formato e aparência comuns mas com prazo de validade. Isso significa que a capa, as páginas e a costura vai se decompondo dentro de um período de tempo mais ou menos determinado. Esse tempo vai variar de acordo…

Saiba mais →

Presente

não dou presente em maio será que eu não amo a mamãe? não dou presente em junho será que eu não amo o meu bem? não dou presente em agosto será que eu não amo o papai? não dou presente em outubro será que eu não amo o neném? não dou presente em dezembro será…

Saiba mais →

44

Chico de Paula é um sujeito que trabalha com vídeo. No caso dele isso significa trabalhar com cinema, fotografia, performance, poesia, música, dança e afins. Conheci há doze anos atrás, no saudoso 27º Festival de Inverno da UFMG, em Ouro Preto. Ele estava dando uma oficina com o sugestivo nome “Escrevendo em Vídeo” e eu…

Saiba mais →

Aprovado por Unanimidade

Tenho o prazer de comunicar a todos os que freqüentam este blogue que o PL 330/2006 sobre a obrigatoriedade do ensino da música na educação básica foi aprovado por unanimidade e em caráter terminativo na Comissão de Educação do Senado. É a primeira instância alcançada por esta campanha, que nós ajudamos a construir aqui. No…

Saiba mais →

O Projeto Axial é um dos trabalhos mais belos e estranhos que eu conheci nos últimos anos. Eles pegam orikis da tradição nagô-iorubá transcriados por Antônio Risério, cânticos tradicionais de diversas regiões do país como o das Caixeiras da Casa Fanti-Ashanti do Maranhão, canções de escravos do Haiti (os vodus), poemas musicados por eles próprios…

Saiba mais →

Back to Top